domingo, 28 de agosto de 2011

Livros digitais: O futuro? *

Façam o favor de comentar. Obrigada.


* Reportagem da Euronews sobre livros digitais em França

2 comentários:

prof. Paulo Gomes disse...

Penso que o futuro vai passar pelos livros digitais, embora considere que o problema não está nos livros serem em formato digital ou em papel, a questão está no uso efectivamente dado pelos alunos aos leitores de e-books e no controlo/ orientação de adulto responsável e com tempo para os auxiliar, já que a tendência dos alunos será sempre para o mais fácil, o mais intuitivo, o mais lúdico.
Criem-se livros digitais dinâmicos (por exemplo, em que os alunos possam intervir na construção das histórias, reorganização ou ampliação das mesmas, isto é, que permitam a fruição através da passagem do aluno de leitor a escritor e então teremos verdadeiros livros digitais, em que parte da história é da responsabilidade de adulto no papel de jovem e outra parte será a criatividade do aluno a construir).
Para um rapaz uma história será tão ou mais interessante se sentir que pode participar nela.
Entre a biblioburro e o livro digital não vai grande diferença, a diferença está na vontade do jovem em cultivar-se e em deixar-se orientar por um mediador adulto. Todos os formatos de leitura(papel, digital, cinematográfico, televisivo,...)são válidos, desde que os jovens entendam que uma boa parte das suas vidas tem de ser útil ao crescimento deles próprios e à sociedade em que vivem.

Soraya Oliveira disse...

Concordo totalmente!
O livro digital tem uma forma diferente do tradicional: com potencialidades e limitações distintas...
Melhor ou pior? Depende do utilizador e de diversos outros fatores!
Mas realmente o que importa a meu ver é a forma como o que se leu é apropriado pelo leitor!
A «leitura» para ser efetiva tem que gerar conhecimento.